quarta-feira, 4 de julho de 2007

O SEGREDO.


Há duas semanas atrás, minha mãe me pediu para conseguir para ela o DVD do filme “The Secret” – O Segredo. Após me empenhar por uma semana consegui o filme. O interessante dessa história é que no último final de semana estive em um Shopping da Capital para comprar algum livro para ler durante a semana. Acabei me deparando com o livro do filme acima citado. Curioso, acabei comprando-o e para minha surpresa segue o que relato abaixo;

Como gosto de leitura em geral, não me importei com o fato do livro me parecer “meio esotérico”, uma vez que sou cristão. Creio que devemos julgar todas as coisas e reter aquilo que é bom. Acontece que consegui enquadrar a mensagem do livro para a minha vida cristã, principalmente a parte que diz que devemos ser gratos por tudo aquilo que recebemos. A passagem do livro que trata sobre gratidão fala sobre uma determinada pessoa que ao passar por certos problemas em sua vida encontrou uma pedra, passando a denomina-la “pedra da gratidão”. Independente dos acontecimentos citados no livro, tive um sentimento de que seria muito bom se eu também tivesse um objeto que me trouxesse à mente o desejo e o compromisso de ser grato pelas coisas que Deus tem me dado. Pensei que uma pedra seria um objeto muito interessante.

Bem, toda segunda-feira faço consulta com minha psicóloga. O nome dela é Ana Paula (vai aqui meu agradecimento pelo progresso que tenho sentido desde que nos conhecemos). Na segunda passada, passei o dia inteiro pensando em como deveria ser grato por tudo em minha vida e como é fácil nos esquecermos de agradecer as bênçãos recebidas a cada dia. Ao final do dia, ao sair do consultório da psicóloga, bem diante do elevador, me deparei com duas pedras bem singulares, ali no chão (no Hall do elevador). Pensei comigo: “Essas pedras são minhas”, pois como poderia ser diferente, uma vez que havia passado o meu dia pensando na gratidão pela vida e em como seria bom ter um objeto que me lembrasse todos os dias de agradecer a Deus. Posso dizer agora que não tenho mais essa dificuldade. Todos os dias ao me levantar e me arrumar para trabalhar, coloco a minha pedra no bolso lembrando da gratidão devida. Ao chegar em casa o processo é o mesmo. Sempre que tiro a minha pedra do bolso trago na lembrança os agradecimentos que devo fazer.


Ps. A outra pedra que encontrei dei de presente para minha mãe. Contei a ela o acontecido e lhe disse que ela também deveria ter a sua “pedra da gratidão”. Espero te-la ajudado.

Um abraço a todos.

3 comentários:

Leony disse...

Pensando bem o Lance da pedra faz muito sentindo,acho que to precisando rever meus conceitos e agradecer as coisas boas que tenho em mãos e as que estão por vir...(fiotin)

Douglas disse...

Muito incrível!!!!!!!

Hugo disse...

Bacana...e verdade temos que redescobrir sempre essa gratidão em nós!!!abraço